Regina Duarte deixa comando da secretaria de Cultura do governo Bolsonaro
Empresa demite 300 funcionários e coloca faixa ‘agradecendo’ Doria e PSDB

Polícia do Rio só mata preto e pobre. Os números não mentem

Foto: Divulgação

20 de maio 2020

“Os agentes já chegaram de maneira cruel”, disse o pai do garoto.

Por: Kleber Moraes

www.centraldejornalismo.com.br

A trágica operação das polícias Federal e Civil no Complexo do Salgueiro ceifa mais um Brasileiro preto e pobre, que entra para uma longa lista de mortos pelas polícias daquele estado.

O Governador Witzel determinou apurações rigorosas, mas isso não é suficiente para pais que irão enterrar um adolescente de 14 anos, esse não é o ciclo normal da vida.

A Polícia do Rio de Janeiro já coleciona esse tipo de operação desastrosa, que quase nunca o executado trás na pele a cor branca e nem mora na zona sul da cidade.
Esse caso poderá entrar para uma fila enorme de execuções sem solução ou até mesmo indiciados e condenados por essas práticas das polícias do Rio.
“Assim, a gente saiu correndo pro quarto. Daí os policiais entraram, mandaram a gente deitar no chão e todo mundo calar a boca. As polícias deram tiro no Matheus enquanto ele levava João no carro pro helicóptero pegar ele.”
Relata um dos adolescentes que estavam na casa onde o menino João Pedro Mattos Pinto, de 14 anos, foi morto, no Complexo do Salgueiro, em São Gonçalo, na Região Metropolitana do Rio, no país da desigualdade.

Fonte: G1