Veja o que diz Pe. Bertol sobre, o que é a Páscoa?

I Seminário Internacional Brasil-Finlândia: Futuro, Transformação Digital e Inovação.
07/04/2019
FABIO PITTA E FABIO E FABIO QUEIROZ NO PODIO DA COPA PIRELLI
10/04/2019
Exibir tudo

Veja o que diz Pe. Bertol sobre, o que é a Páscoa?

A Páscoa se aproxima e mais uma vez somos convidados a refletir sobre seu verdadeiro sentido. O comércio explora a ocasião para aquecer o mercado com as vendas de chocolate e promoções de toda espécie. Mas, o que é Páscoa?

Fomos catequizados que a Páscoa refere-se aos judeus quando foram libertados da escravidão no Egito ou ainda aos cristãos que celebram a Ressurreição de Cristo vencendo a Morte. Apesar de tudo isso, quase dois mil anos depois, nos deparamos com a morte, real, nua e crua, ali, nos ceifando, nos destruindo, levando os mais amados de nosso meio. Onde está a vitória sobre a morte, muitos se perguntam.

Talvez um dos importantes sentidos desta Festa deve ser meditado de forma sincera: a transformação de vida – Metamorfose. A ciência nos explica que a metamorfose completa se dá quando o indivíduo muda completamente sua forma externa, por exemplo, a borboleta, que muda de fase larvária, que é somente um amontoado de aminoácidos e água (basicamente), para um inseto, coberto de quitina (substancia que deixa o exoesqueleto rígido e protegido), possui patas, antenas e no caso, asas. Já a metamorfose incompleta é aquela que faz o indivíduo modificar-se somente para melhor adaptar-se ao ambiente diferente daquele em que vivia anteriormente. O sapo, por exemplo, ao metamorfosear-se, necessita que o próprio corpo desprenda a ‘cauda’ da fase larvária, para locomover-se em ambiente terrestre de maneira mais eficaz. O sutil das duas formas de Metaformose é que a completa está intrinsicamente ligada a sobrevivência do animal, pois sem a qual ele não existiria em sua forma definitiva, enquanto que a incompleta faz-se necessária somente para que ele consiga viver e fugir dos predadores de maneira mais rápida.

Na vida espiritual também há necessidade de experimentarmos momentos de transformação para que possamos vivenciar a existência planetária de maneira mais eficiente nos processos e mais eficaz nos resultados. Lamentamos muito pela dor e pelo sofrimento que sentimos ao presenciarmos o pior da vida humana, porém devemos nos questionar que tipo de pequenas ações estamos tomando para tornar o mundo um lugar melhor. Ao mirarmos no exemplo de Cristo, descobrimos que foi justamente se importando com cada um que cruzava seu caminho, com sua dor e sofrimento e também aproveitando o potencial daqueles que eram tidos por nada, que Ele realizou as grandes transformações que são lembradas por nós e que dão real significado à nossa vida.

Ser uma borboleta ou uma larva, ser um girino ou um sapo, em nosso caso, não é uma prerrogativa natural, mas uma escolha, um ato de evolução espiritual, de vida nova, de ressurreição. Podemos até ter uma metamorfose incompleta para apenas nos safar de determinadas situações adversas, para meros paliativos, porém a metamorfose completa que nos leva à restauração de nossa existência se dá quando o homem novo surge, quando decidimos por viver sem medos, sem ressentimentos, sem dor, sem cobranças, quando somos outros Cristos dispostos a fazer valer cada minuto de nossa existência servindo e multiplicando o amor. Feliz Páscoa!

Pe. Luís Fernando Bertol

Sacerdote da Igreja Católica Apostólica Brasileira, Administrador Apostólico da Diocese de Goiânia.

Instagram @pe.bertol

Conheça seu trabalho acessando: www.diocesedegoiania.org

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *