Os Melhores do Mundo anunciam show drive-in em Brasília
32ª edição do Congresso Nacional Abrasel

Dono de posto de Santos oferece ‘Carro 0KM’ por provas de que vende gasolina adulterada

31 de julho 2020

Fonte A Tribuna

Segundo o empresário, o local passa por diversas inspeções regularmente para apresentar um produto de qualidade

Um vídeo de um homem tirando o que seria uma gasolina, que mais parece água, do próprio carro, viralizou em grupos de WhatsApp nesta quinta-feira (30). Na filmagem, ele acusa um posto de gasolina, localizado na Rua João Pessoa, em Santos, de ter colocado o produto adulterado no veículo.

Procurado por ATribuna.com.br, o responsável pelo posto falou sobre o vídeo divulgado e questionou quem o publicou. “Sim, já estamos cientes sobre o vídeo. Inclusive ofereci um carro 0 KM para ele vir aqui e provar que esta gasolina tenha sido tirada das nossas bombas”.

Segundo o empresário, o local passa por diversas inspeções regularmente justamente para apresentar um bom produto para seus clientes.

Dono de posto desmente vídeo sobre gasolina de água em Santos (Foto: Reprodução)

No comando do posto há 30 anos, o dono lamenta a divulgação de notícias falsas nas redes sociais. “Se a pessoa realmente quer fazer uma denúncia, ela deveria mostrar o rosto no vídeo e a placa do carro. Muitas vezes, alguém só quer agir na má fé para complicar o trabalho dos outros”, disse.

Como o vídeo apareceu em vários grupos do aplicativo de mensagens, alguns clientes fixos do posto entraram em contato para saber sobre a veracidade da publicação. “Algumas pessoas já havia me mandado mensagens ontem e, hoje, já recebemos mais de 30 ligações. É complicado, mas temos que explicar que se trata de fake news”.

O dono do empreendimento confirmou que o veículo mostrado no vídeo realmente abasteceu no posto. “Sim, ele realmente abasteceu aqui, temos inclusive a placa do carro. Mas ainda não o acionei judicialmente por ainda não saber se o veículo é realmente dele”, finaliza.

ATribuna.com.br tentou contato com o autor do vídeo mas, até a publicação desta reportagem, não houve retorno.