Secretário da Seduh apresenta 17 projetos de lei que encaminhará à CLDF
Eduardo Paes anunciará maiores restrições no Rio de Janeiro
Exibir tudo

A importância dos vigilantes no combate ao coronavírus

Pedro de Souza trabalha no Hran: “Todos os dias há alta, e isso enche nossos corações de fé e esperança de que venceremos essa doença” | Foto: Breno Esaki/Agência Saúde

03 de março 2021

Profissionais são responsáveis pela segurança e, muitas vezes, pelo repasse de informações aos pacientes

Entre os heróis da saúde que enfrentam há um ano a pandemia do novo coronavírus, além de médicos, enfermeiros e quem tem formação na área, destacam-se os profissionais de outros segmentos que lidam diariamente com os pacientes acometidos pela doença e com seus familiares. Entre eles, estão os vigilantes, fundamentais dentro de uma unidade de saúde, onde são responsáveis pela segurança e, muitas vezes, por repassar informações.

Pedro Teodoro de Sousa, 58 anos, trabalha há 25 no Hospital Regional da Asa Norte (Hran). Tendo passado por vários setores, ele estava lotado na emergência da unidade quando começou a pandemia. “Já vi muitas coisas nesses anos, mas até hoje essa pandemia foi o que mais assustou quem trabalha aqui”, conta. “Perdi dois amigos queridos para a covid-19. Um deles era vigilante, e o outro, técnico de enfermagem”.

“Já vi muitas coisas nesses anos, mas até hoje essa pandemia foi o que mais assustou quem trabalha aqui”Pedro Teodoro de Sousa, vigilante do Hran

O vigilante relata que ficou muito receoso de se contaminar, principalmente porque o Hran passou a ser referência no atendimento a pacientes com covid-19. O maior medo era contrair a doença e levar para dentro de casa, contaminando a filha e a esposa.

Cuidados diários

“Eu via, todo dia, chegar gente com coronavírus”, lembra. “Sempre usei máscara, lavo as mãos várias vezes, uso álcool gel e não costumo entrar com a roupa do trabalho dentro de casa. Tomo todos os cuidados para não pegar covid-19.”

Pedro foi um dos profissionais da saúde imunizados durante a solenidade de abertura da vacinação contra a covid-19, em 19 de janeiro deste ano. No dia 10 deste mês, tomou a segunda dose da CoronaVac. “Acho que só me sentirei seguro novamente quando toda a população for vacinada; aí sim, todos ficarão livres desse vírus”, afirma.

Ele comemora cada vez que vê algum paciente recebendo alta hospitalar. É uma alegria, define, presenciar os encontros e abraços calorosos de familiares que estavam aflitos por ter alguém internado no hospital. “Todos os dias há alta, e isso enche nossos corações de fé e esperança de que venceremos essa doença que já tirou a vida de tantas pessoas”, conclui.

*Com informações da Secretaria de Saúde (SES)